Arquivo da tag: palestra

Vivendo de passado

Todos nós vivemos de passado.
Se você não concorda comigo, analise bem esse ditado popular:
“Gato escaldado tem medo de água fria…”
Esse gato por ter vivido uma experiência ruim com água quente no passado, já não chega nem perto de água, independente do estado dela.
O que você é hoje, seja na vida profissional, na vida amorosa, acadêmica. A forma com que você lida com as dificuldades com garra, ou se desvia dos problemas, ou corre para alguém para lhe ajudar, etc.
É um reflexo do seu passado, das suas experiências vividas…
Por isso não devemos ter aversão ao passado dizendo que “quem vive de passado é museu”. Lembrando que o Passado e o futuro se encontram no presente. Então, antes de fingir que o passado não existe, saiba que ele se apresenta em você hoje. E temos que tirar o máximo de proveito dele, buscando aprender com as experiências boas e ruins da vida.
Utilize o passado ao seu favor.

Por Julio Pascoal

Gostou? Compartilhe essa mensagem com quem você considera importante.

Gostou? Compartilhe essa mensagem com quem você considera importante.

Todos querem Voar

Todos nós queremos estar por cima, voando…

O status de estar por cima, tendo uma visão privilegiada, é cobiçado por muitos. Quem não quer tocar as nuvens, voando junto com as aves…

Mas, será que ao voar só veremos flores? E estaremos isentos de problemas?

Já foi provado por médicos e pesquisadores que a altura pode nos trazer alguns efeitos colaterais, por exemplo: a temperatura extremamente baixa leva o corpo humano à hipotermia que compromete o metabolismo do corpo.   A cada grau centígrado de calor perdido pelo corpo, o fluxo cerebral diminui em 6%, de modo que, aos 32º C, já começam a aparecer sinais de confusão mental e dificuldade de raciocínio.

Além disso, o frio extremo costuma causar a necrose de partes do corpo expostas a baixas temperaturas por longo período. Neste caso, o mal é irreversível.

O quanto mais alto, a captação de oxigênio para os tecidos torna-se mais difícil, e ocorrem sintomas como dores de cabeça, náuseas, lentidão de raciocínio, dores musculares, fadiga e taquicardia.

Por esses motivos antes citados, que os jogadores de futebol quando vão jogar em lugares altos passam, pelo menos, 24 horas no local realizando a “aclimatação”, que significa dar um tempo para o corpo se adaptar a altitude.

Citei esses exemplos para trazer uma reflexão sobre nossa ambição. Queremos estar bem altos profissionalmente e sempre ascender, mas, não queremos sofrer os efeitos da altitude. Efeitos esses, que igualmente aos exemplos citados, vão nos incomodar, mexer conosco, causar confusão de raciocínio, dificuldade de respirar pela pressão das atividades e da alta gestão, fadiga, dores de cabeça, náuseas, entre outros.

Não estou dizendo que não temos que sonhar, planejar e buscar o crescimento profissional, pois, sem sonhos não teremos motivos pra viver. Estou falando aqui que teremos que estar preparados para os efeitos da altitude, buscar ferramentas que nos auxilie na subida e subir devagar, lembrando que precisamos de um tempo para nos adaptar a temperatura daquela altura, que neste caso pode ser mais quentes do que nós pensamos.

Busquemos a auto-realização, porém, conscientes que se chegarmos lá com calma não sofreremos o impacto da mudança brusca de clima.

Por Julio Pascoal

Gostou? Indique o blog.

Conpartilhe esta mensagem com quem você considera importante.

Fonte de pesquisa: http://migre.me/37VKM

Gostou? Indique o blog.

Conpartilhe esta mensagem com quem você considera importante.